Umberto Eco e a Semiótica

 

traffic_light_german_complex_with_bicycles

A semiótica, ou semiologia, é um tema de estudo de muitos séculos, mas passou a ser estudada de uma forma mais direta e profunda nas últimas décadas, tendo como principal especialista, Umberto Eco.

Filósofo e uma das mais brilhantes mentes ainda vivas, especializou-se na estética, aparências, formas e como conseqüência, direcionou seus estudos para a semiótica.

Eco mostra que o filósofo Santo Agostinho foi o primeiro a escrever sobre a teoria dos signos, que são os símbolos que nos remetem a determinada mensagem, como por exemplo, a cruz, ao cristianismo, a balança significando justiça e ai por diante, ou, em outra definição, a impressão que determinado símbolo causa em nossos sentidos.

Um signo é, em geral, qualquer coisa que nos remeta à idéia de qualquer outra coisa.

Nesse sentido, a semiótica é a disciplina que estuda o fenômeno de significado e comunicação.

Significado se entende cada relação que liga qualquer coisa de materialmente presente a qualquer coisa de ausente, como uma luz vermelha em um semáforo te passa a mensagem de pare.

Então, cada vez que se põe em prática ou se usa uma relação de significado, inicia-se o processo de comunicação.

A semiótica é, portanto, a ciência que estuda a vida dos sinais no quadro da vida social.

Os sinais nos rodeiam de diversas formas, até mesmo através da linguagem que é através de onde é possível conceber e identificar o significado das mensagens que encontramos no contexto social e cultural, seja na publicidade, na moda ou no cinema.

Podemos tratar da semiótica em dois contextos básicos e essenciais.

O primeiro, são os sinais elementares, visíveis e conhecidos, onde todos somos impactados e sofremos a interferência de suas mensagens com fins puramente comerciais, como por exemplo, uma embalagem que tem como objetivo vender o produto que está ali. Então a textura do papel, a sua forma, letras, tamanhos, cores são profundamente estudadas e analisadas para se destacarem, onde estiverem, conquistando a nossa atenção e suscitando nossa intenção de aquisição.

Um carro não é só o meio de transporte que te leva de, para determinado lugar, e sim, um símbolo, que transporta a tua capacidade, os teus conceitos, formando, muitas vezes, a imagem de quem você é ou quer ser. Nesse contexto, suas roupas, objetos como canetas, ou um óculos que use, casa que mora, complementam e reforçam a imagem que você é.

Na maioria dos casos e dentro do seu contexto social, tudo o que você mostra como objeto aparente e material, reafirma sua personalidade e define suas posições, resumindo e limitando você ao que tem externamente para apoiar-se e identificar-se, internamente.

O segundo aspecto, são os sinais invisíveis, imateriais, as linguagens que interpretamos inconscientemente sem que saibamos, muitas vezes, que fazemos.

Conhecida como linguagem corporal, ou linguagem fria, interpretamos posicionamentos sem que o posicionante precise falar.

A sua forma de olhar, seus gestos, postura, andar, voz, velocidade dos movimentos, maneira de conversar, até mesmo a forma de expor seus pensamentos com agressividade, impulsividade, timidez ou insegurança, passam, ao que te escuta, mensagens subliminares que determinarão a tua personalidade e intenções.

Se é assim, que importância tem sua postura e todos os gestos que você usa no seu dia a dia.

Dentro da empresa, de que forma sua linguagem corporal interage com seus colegas do seu trabalho ou de outras empresas.

Enxergar tudo o que tem por trás do que é visto de imediato nos oferece um enxergar mais amplo e um limite mais extenso que te permitirá abrir mais visões.

Uma venda que você fizer, um contrato que for fechado, uma compra realizada, se entendidos e percebidos através de uma ótica mais ampla, te permitirá concretizar negócios mais lucrativos, enxergando o que a negociação te oferece em si e quais benefícios intrínsecos ela irá gerar no decorrer do percurso e em sua extensão.

Uma negociação bem sucedida é, na maioria das vezes, bem realizada quando oferece algo a mais do que o que mostra a primeira vista. É um mercado que será  explorado futuramente, um novo consumidor que espera seu produto, ou mesmo a possibilidade de você manter a sua posição no mercado, sem ser ultrapassado por um concorrente.

Nada é apenas o que se mostra.

O visível é apenas uma pequena parte do amplo rastro invisível que tudo contem, saber enxergar é ver o mundo com mais espaços, cores e formas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s