Pitágoras e o planejamento

sanzio_01_pythagoras

Filósofo e matemático grego, Pitágoras é o pré-socrático mais conhecido até hoje.

Até hoje o teorema de Pitágoras é conhecido pelos estudantes de matemática e foi ele também que criou a idéia do “quadrado” e do “cubo” dos números, aplicando assim conceitos geométricos à aritmética.

Alguns creditam a ele a invenção do termo “filosofia”, assim como a aplicação da palavra “cosmo” ao universo.

Sua grande contribuição for ter relacionado a matemática com a filosofia, a partir daí, diversos outros filósofos foram para o mesmo caminho e suas teorias filosóficas puderam se aprofundar com teor matemático, portanto racionais.

Hoje em dia é natural que saibamos e associemos a matemática como fator imprescindível para a compreensão do universo, cálculos da física e observações científicas jamais teriam evoluído ao nível atual se não fosse através destes primeiros passos.

Posteriormente, as correntes racionalistas da filosofia fizeram uso da matemática para sustentar suas opiniões e puderam oferecer grandes saltos lógicos para toda a humanidade, dissipando tradições que desdenhavam da razão, para encontrar soluções com o auxílio de cálculos.

Como você desenvolve o planejamento em seus negócios?

Quando é traçado o planejamento de uma empresa, são usados diversos cálculos matemáticos com o fim de nos auxiliar no caminho para seguir. São referências com base no o mercado, ou ainda, traçando um paralelo com empresas similares, quando for um produto novo a ser desenvolvido.

Qual o limite para as projeções e até onde podemos, realmente, nos apoiar nelas?

Já acompanhei estudantes inexperientes e profissionais com muita experiência, perdidos na mesma questão.

Após o desenvolvimento de suas projeções, algumas com mais lógica e prudência, outras nem tanto, o desenvolvedor do projeto se apega de tal forma nelas, como se o que antes era apenas uma previsão, passa a ser uma verdade, não apenas referências e sim fatos.

Todo novo produto, negócio, mercado, devem ser analisados com prudência, acompanhados pela ousadia.

Ousar pouco é não ir além, ousar demais é utopia.

Prudência demais é timidez, de menos é irresponsabilidade.

Use a lógica, prepare seu planejamento com bons referenciais e embase suas projeções com bons fundamentos, mas tenha consciência que planejamentos são meios para tentar chegar o mais próximo possível da verdade, não é a verdade, ou a realidade em si.

Nos negócios – a filosofia é um bom campo para nos apoiar nessa afirmação – existem diversos fatores imponderáveis que se apresentam apenas quando estamos em campo, sendo, muitas vezes, decisivos para mudar o curso de toda a nossa direção.

O preparo para exercer a realização planejada com eficiência, indo pelo caminho traçado, ou desviando-se dele, é o único meio para garantir bons resultados no decorrer do percurso.

Tudo é matemática, teus acertos, erros, escolhas, podem ser analisados e calculados, sempre, de forma exata… o pequeno detalhe é que na maioria das vezes não temos os fundamentos para formar a equação certa, sendo assim, a resposta dificilmente será exata.

Toda boa idéia deve passar pela análise de um bem estruturado planejamento mas, muitas vezes, não devem se limitar a eles por serem apenas referências e não realidades.

Unir a experiência, consciência e a lógica matemática, são os melhores meios para projetarmos com referências e realizarmos com mais eficiência.

Caminhar sem sobressaltos, esperando interferências e obstáculos é aliar a matemática com a sua experiência.

Anúncios

2 comentários sobre “Pitágoras e o planejamento

  1. Gostei da analogia. Tanto a feita por Pitágoras quanto a feita pelo Leonardo. Ambas são grandes passos para uma visão melhorada da realidade. Como tudo é relativo, isto é, depende de um referencial, uma questão que ainda fica na minha cabeça é a seguinte: “Ousar demais é utopia”. Para King C. Gillete, ousar do seu jeito era utopia para todos, menos para ele. Resultado, a persistência o tornou líder do mercado. Outros casos ocorreram como o de Fred Smith com a Federal Express. Enfim, devemos acreditar em nós mesmos, nos nossos cálculos, ou em 10 pessoas com experiência no mercado há 10 anos? E se eles estiverem errados? Perder uma oportunidade pode ser que nunca mais encontremos uma de tal porte.

  2. Olá Gustavo, obrigado pelo comentário e visita ao site, concordo com a tua visão e você deu dois bons exemplos de pessoas desacreditadas e vencedoras, mas, explicando sobre a frase “Ousar demais é utopia”, eu acrescentaria que o ousar é uma visão individual, por mais que os dois tenham ousado para os outros, não ousaram mais que as suas próprias capacidades e conhecimentos, tanto é que conseguiram… assim, o limite do ousar deve ser testado e conhecido, individualmente, afinal, só nós devemos (ou deveriamos) saber até onde podemos não?
    Abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s